Francisco, Tiago e Ricardo Parente: velocidade no sangue, ótica no coração

A viagem até Lamego é uma experiência maravilhosa, mas a chegada à Parente Óptica Médica é muito melhor! Assemelha-se a um abraço de conforto e de família. O encontro com os líderes da histórica empresa Tiago, Ricardo e Francisco Parente foi marcado na sede, na rua Almacave. Este espaço diz muito sobre a forma como os herdeiros dos fundadores dinamizam hoje o nome de família. É um espaço moderno que parece ter sido construído “ontem” mas que já tem quase uma década sobre a última renovação. É isto a Parente Óptica Médica: um passado preenchido e um futuro em aberto em perfeita harmonia!

Enquanto aguardávamos pelo momento da entrevista Tiago adiantou-nos já o tom da conversa, divertido e intimista, enquanto Ricardo e Francisco sorriam e envolviam os seus clientes num sentimento que é bom. Descemos até um espaço muito típico de Lamego entre as muitas pessoas que conhecem os nossos homens de capa. São verdadeiras estrelas! E se foi a ótica que nos levou ao interior, cedo nos vimos envolvidos em histórias de amor, de longas aventuras a cavalo para ir até à costa, de lutas contra lobos, de altruísmo puro, de música, motas, desportos radicais e tanto, tanto mais. No fundo é a história de Manuel Patrocínio e de Patrocínia Parente. Ele o homem da ótica, ela a figura feminina de vanguarda nos anos ’30, que estudou farmácia no Porto, depois das tais viagens de cavalo a partir de Lamego, contra a intempéries e contra lobos esfomeados. Tiveram nove filhos, farmácias, óticas e ainda campos agrícolas e foram um exemplo superior de empreendedorismo do mais avançado. Daqui surgem os filhos que continuaram o legado. Para nós o destaque está, claro, no filho mais novo, Francisco, que depois de passar pela engenharia civil, assumiu a optometria como missão de vida e atraiu os sobrinhos Tiago e Ricardo para o mester. Embora de gerações distintas comungam de um espírito dinâmico, de uma alegria pela vida e pela ótica que é magnética. Ouvimos este percurso emocionante de três homens que têm nos genes a vontade de ajudar, à semelhança de Manuel e Patrocínia, que colmataram tantas vezes a falta de apoio em saúde e de capacidade financeira das pessoas de Lamego e arredores.

Ou seja, a história repete-se, com mais tecnologia à mistura, é certo, mas a Parente ainda é o local onde se resolvem problemas, onde há uma palavra de conforto e amizade, uma piada que anima o dia e aquele abraço sincero. Tirar Ricardo, Francisco e Tiago da ótica é muito difícil! Mas nada que a memória dos dias de heavy metal na juventude ou das longas viagens de mota pelo mundo com a sua companheira de vida não consiga desviar Tiago. Francisco, por sua vez, brilha com as imagens das suas corridas motorizadas bem aceleradas e cheias de adrenalina, sem esquecer o amor da sua companheira que pacientemente aguenta a sua dedicação a todo o horário à ótica. Ricardo é imensamente bem disposto e um amante sério da vida e como filho de um militar envolvido nas forças especiais não nega a energia dos desportos radicais e se for em condições geladas ainda melhor. Todos eles têm ainda o coração nas suas famílias e na missão de elevar o setor nacional da ótica ao seu melhor patamar.

 

São 63 anos de Parente Óptica Médica. Como nasceu esta mítica ótica de Lamego?

Francisco Parente: A minha mãe era farmacêutica, portanto, a farmácia tem 70 anos, altura em que a comprou. Era uma mulher de armas com nove filhos e empreendedora e uma das únicas a tirar o curso de farmácia, em 1930. Quando conto as histórias relacionadas com a minha mãe à minha filha e 17 anos, ela acha que são ficção. O meu avô levava-a de cavalo até ao Porto, com dois cavalos porque tinham que carregar fachos para afugentar os ataques dos lobos. Era surreal! Eram daqui de perto, de Moimenta da Beira e iam pela serra numa viagem de muitas horas dependendo das peripécias. Aliás, sobreviveu ao curso (risos). A ótica nasceu como uma secção da farmácia, porque não existiam, praticamente, óticas em Lamego e o meu pai decidiu iniciar a atividade. Depois de fazer formação na área, lançou-se com o apoio do importador da Zeiss, a A. Winter com equipamentos da Weco. O negócio evoluiu e chegou a um ponto em que foi necessário fazer a divisão da farmácia e passou a ser uma empresa independente.

Porquê acrescentar a designação Médica à marca?

Ricardo Parente: Numa altura em que “todos” vendem óculos quisemos passar uma mensagem. Sempre fomos Óptica Parente até o mundo da ótica entrar neste reboliço. Quando nos apercebemos destas mudanças achamos por bem marcar o nosso cunho, demonstrando que queremos estar ligados à parte da saúde visual e não só à área comercial. Claro que, estamos ligados também à moda e ao design.

E como conseguiu atrair os seus jovens sobrinhos para a Parente Óptica?

FP: De alguma maneira, influenciando-os.

Tiago Parente: Eu nem queria seguir ótica, aliás nem sabia o que era optometria aos meus 18 anos. Ia lá às vezes entrava e era expulso pelo meu tio se não estivesse lá a fazer nada (risos).

FP: Profissionalismo acima de tudo e centro infantil não podia ser!

No Comments Yet

Comments are closed