Francisco Pamplona: quando a ótica se expressa na juventude

Na última edição de 2018, deixámo-nos encantar pela bravura do mais jovem franquiado da MultiOpticas: Francisco Pamplona. Filho de um oficial da Marinha e de uma professora, habituou-se a viver em “vários” portos, e usou isso a seu favor. Cresceu em experiências e conhecimentos e absorveu a coragem paterna. Quando teve que decidir que caminho empreender na vida, “calculou” que a optometria era a resposta para os seus anseios. Ou seja, ter o calor humano sempre por perto e com portas abertas para a possibilidade ser chefe de si próprio. Sem laços no setor, instalou-se em Braga, mais especificamente na Universidade do Minho, para cumprir com a primeira fase do seu plano. A MultiOpticas foi a sua casa inaugural, após o ensino superior, e foram precisos apenas dois meses para perceber que estava preparado para se atrever…com 22 anos! O grupo que o ajudou a cimentar a experiência profissional propôs dois anos de trabalho nas suas lojas, para se assegurar que Francisco era a força da natureza que parecia ser. Assim foi, aos 24 anos já tinha distribuído charme entre Trás-os-Montes e Leiria e confirmado à MultiOpticas que era o homem certo para vestir a camisola da empresa. Porquê os Açores? Porque até um cidadão de tantas cidades tem o coração numa só. A ilha Terceira é casa dos avós, onde também viveu em jovem e onde estão os pais. Claro que o potencial e negócio ali também era incrível, numa altura em que nenhuma multinacional ainda tinha chegado a Angra do Heroísmo. A aposta da MultiOpticas na juventude de Francisco foi imediatamente ganha. O volume de negócios revelou-se avassalador, de tal forma que o apenas empossado empresário teve que recorrer ao apoio da figura que o tornou tão audacioso: o pai. Também se apoiou na sua incansável vontade de proporcionar mais saúde aos habitantes da cidade que ama e na sua invejável capacidade física, que o permitiram fazer jornadas de 12/13 horas de trabalho incessante. Cansado? Não, obstinado! Três anos após a abertura em Angra, cortou a fita da segunda loja na Praia da Vitória. Não vimos os olhos dele nesta conversa transatlântica, mas supomos que brilhem focados em conquistas, também elas, para além do oceano, rumo a outros “porto” que o tenham encantado durante as suas quase atuais três décadas de vida. Apesar desta descrição conquistadora, Francisco Pamplona não é empreendedor desgarrado. Apoia-se sempre na sabedoria do pai e num instinto protetor aos seus funcionários que, apesar da tenra idade do seu líder, o seguem sem medo e com admiração. E perceber o homem para além do ótico nem sempre é fácil, mas Francisco tem em si “toda a juventude do mundo”. Adora pessoas e apesar de ter vivido em muito sítios diferentes, não dispensa a paixão das amizades, do convívio e das gargalhadas sinceras. O seu sorriso é aberto e revela a inquietude de quem abraça desafios sem medo, mas com toda a simpatia e uma boa dose de humor. De resto, é na pesca submarina que relaxa e ao “volante” da sua paixão por carros clássicos. Francisco Pamplona está na ótica de coração aberto, para surpreender e conquistar durante muito e muitos anos!

Fale-nos do seu percurso na ótica, desde a decisão de assumir a optometria até à gestão do seu próprio negócio.

Entrei no mundo da optometria por acaso. Como a maioria dos jovens, não tinha, na altura, uma profissão com que sonhasse. Decidi enveredar por algo que envolvesse saúde e relacionamento humano e que tivesse saída profissional. Posteriormente, quando comecei a trabalhar, logo ao fim de 6 meses já sabia que o futuro passaria por abrir o meu próprio negócio. Depois foi o tempo de provar a mim próprio e neste caso à MultiOpticas que tinha capacidades para tal. Hoje já conto com duas óticas e somos no total nove pessoas a trabalhar diariamente, com afinco, energia e profissionalismo.

Acha que o futuro é promissor para esta vertente do retalho, considerando as grandes modificações que foram acontecendo na última década e que forçaram muitos empresários a saírem de uma zona confortável?

Será promissor para quem se adaptar e evoluir! Eu acho que no futuro haverá uma forte ligação ao mundo digital, com uma presença de negócio muito acentuada no mercado online, como já se tem vindo a verificar. Esta competição pela oferta ao melhor preço também fará com que quem não tenha uma modelo de negócio bem definido e estruturado não consiga acompanhar a evolução. Acho que num futuro próximo começarão a fechar algumas óticas e a presença dos grupos se intensifique ainda mais.

E para a sua MultiOpticas? Que sonhos tem?

Para nós, será consolidar e fortalecer a nossa presença na ilha Terceira e manter a liderança de mercado. Quem sabe, futuramente, abrir mais pontos de vendas pelos Açores e juntarmos a parte de clínica como parceiro de negócio.

No Comments Yet

Comments are closed