ANO defende regime especial de rendas

A Associação Nacional dos Ópticos, no seguimento da aprovação do regime especial de rendas para lojistas de centros comerciais pela Assembleia da República, defende que são necessários mais apoios para outros estabelecimentos, que estiveram encerrados ou limitados na sua atividade.

A ANO associa-se, por isso, à proposta apresentada pela CCP | Confederação do Comércio e Serviços de Portugal para a implementação de um regime especial nos estabelecimentos comerciais, nomeadamente a redução de 40 por cento do montante das rendas, entre 1 de Abril e 31 de Dezembro de 2020, e a suspensão, pelo mesmo período, da taxa liberatória a que estão sujeitos os senhorios em sede de IRS.

Para a ANO, estas medidas representariam uma pequena ajuda às micro, pequenas e médias empresas que constituem o grosso do setor do comércio e são, como se sabe, o maior empregador do país. Só a ótica garante oito mil postos de trabalho.

Os líderes da associação defendem apoios concretos o quanto antes, sob pena de se sucederem falências com as consequências sociais daí decorrentes.

No Comments Yet

Comments are closed